george harrison

postagem relacionada
the beatles

Nos tempos de ‘Beatles’, George Harrison sempre foi tímido, tinha menos espaço na banda, vivia na sombra dos enormes egos de John Lennon e Paul McCartney. George tinha sua cota como cantor e autor de incluir apenas umas duas músicas por disco, e ficava em silêncio, apenas procurava aperfeiçoar seu talento como guitarrista e foi diferenciando-se pelo uso elegante da ‘slide guitar’ que produz um som alongado, choroso. Apesar da proibição imposta, George foi conquistando seu espaço com canções cada vez melhores sendo o autor de algumas das mais famosas e belas músicas dos Beatles: a energética ‘Taxman’, que abre o ‘Revolver’, a bela e singela ‘Here Comes the Sun’ e ‘Something’, considerada por Frank Sinatra a mais bela canção de amor dos últimos 50 anos. Ao contrário da violenta morte do excêntrico Lennon, George Harrison morreu discretamente, em 29 de Novembro de 2001, da mesma maneira com que viveu, mais interessado pela vida interior do que pelas atividades mundanas.

george harrisonOlhos escuros, rosto alongado, expressão profunda. Desde criança George Harold Harrison tinha esse ar grave, misterioso, depois realçado pela descoberta da meditação transcendental e pelo encontro definitivo com o misticismo oriental. Introspectivo, normalmente calado, George tinha, no entanto, tiradas que desarmavam o ouvinte, reveladoras de um humor no mínimo peculiar. Quando a polícia deu uma batida em sua casa, ele informou sarcasticamente: 'Sou um cara organizado: guardo as meias na caixa de meias e as drogas na caixa de drogas'. Era tímido também, de uma timidez que podia se confundir com arrogância, mas que, na verdade, escondia boa dose de autoconfiança.

Seus pais o incentivavam moderadamente. O pai, um ex-marinheiro que se tornou motorista de ônibus só para ficar mais perto dos quatro filhos, tinha o mesmo semblante sério do caçula George. A mãe, professora de dança de salão, era mais expansiva e costumava cantar pela casa e ouvir muitos discos, o que influenciou bastante o filho rebelde. Na escola, George desafiava as regras e usava a gravata ao contrário, um topete moldado com muita brilhantina e sapatos de camurça azul, os blue suede shoes do ídolo Carl Perkins. Matava as aulas para fumar nas esquinas e sonhar com o rock’n’roll de Elvis Presley, que ouviu na casa de um amigo. O filme da sua vida estava para começar.

Foi com esse mesmo amigo que começou a tocar violão religiosamente e fundou a sofrível banda ‘The Rebels’, com apenas 14 anos. Chegaram a se apresentar ao vivo, por um caneco de cerveja cada. Segundo o então parceiro Arthur Kelly, George já era capaz de tocar as passagens mais difíceis, tal como os grandes guitarristas da época. Foi nesse momento que conheceu Paul McCartney no ônibus que ia para a escola. Apesar de Paul ser mais velho, ficaram logo muito próximos, até que George foi convidado a assistir uma apresentação dos ‘Quarry Men’. John Lennon, o líder do grupo, não ficou muito impressionado com aquele colegial franzino de olhar espantado. Mas bastou que George tocasse uma música para que o líder se convencesse e o ‘contratasse’. Com o tempo, os ‘Quarry Men’ ganharam asas e tornaram-se os Beatles, fazendo shows todas as noites, a base de entusiasmo, talento e anfetaminas. Foi de George, e não da dupla Lennon e McCartney, a primeira gravação original feita pelos Beatles. Tudo bem que ‘Cry for a Shadow’, gravada na Alemanha, era apenas um exercício instrumental sem importância e que George, então com 18 anos, recebeu uma ajuda de John, mas a gravação valeu como marco.

Se George teve muito a ver com o início criativo do grupo, foi também de sua autoria a música que marcou o fim dos Beatles. ‘I Me Mine’ foi a última gravação feita pela banda, a essa altura (1970) em frangalhos. Paul tentava manter a chama acesa a todo custo; George ressentia-se com a condescendência de Paul; Ringo entediava-se com as constantes discussões; e John não aceitava a rejeição do grupo com relação a Yoko, ele sequer participou dessa última gravação. Ao falar de egoísmo, a letra da canção retratava o espírito perdido do conjunto. Oito dias depois do registro de ‘I Me Mine’, Paul anunciou o fim da banda. Nos pouco mais de dez anos de existência, os Beatles praticamente estabeleceram todos os novos parâmetros do rock e do pop. Dois momentos nesse período parecem ter sido especialmente marcantes para que George começasse a finalmente ganhar voz própria e libertar-se da sombra incômoda dos egos enormes de John e Paul.

Um deles foi quando experimentou LSD pela primeira vez. A experiência transformou sua vida, e parece ter mesmo ‘expandido sua consciência’, como pregavam os teóricos hippies da época. O outro momento foi quando, em 1966, foi com a mulher, a modelo Pattie Boyd, para a Índia, onde ficou hospedado na casa de Ravi Shankar, a quem conhecera numa festa dada pelo diretor e ator Peter Sellers. Iniciaram uma amizade que seria responsável em grande parte pela popularização da cultura indiana no Ocidente. Shankar não apenas lhe ensinou a tocar cítara, como foi decisivo na conversão espiritual do amigo. Foi depois desse encontro iluminador que os Beatles foram à Índia meditar sob os auspícios de Maharishi Maheshi Yogi, um guru de longos cabelos, barbas brancas e sorriso curioso.

george harrison e ravi shankar

George Harrison e Ravi Shankar, famoso músico indiano, tocou no Woodstock junto com grandes mestres da música. É o pai de Norah Jones, famosa artista contemporânea de jazz e de Anoushka Shankar, a quem ensinou a arte do sitar. Ravi foi chamado por George Harrison para tocar cítara em seus últimos momentos.

Antes mesmo de conhecer Shankar, George já havia colocado os sons encantatórios da cítara na gravação de ‘Norwegian Wood’. Tudo muito por acaso: depois de ver alguns músicos indianos nas filmagens de ‘Help!’ (1965), ele resolveu experimentar o instrumento. Comprou um bem barato numa lojinha em Londres e arriscou-se sem manual na posição desconfortável que a cítara exigia. Foi descobrindo as notas e fez de ‘Norwegian Wood’ a primeira música pop com sabor indiano. ‘Within You Without You’, para alguns a melhor faixa do ‘Sgt. Pepper’s’ (1967), para outros a mais deslocada, foi a evolução natural. Com sua melodia sinuosa e conotação filosófica, levava o ouvinte a um breve estado de transe, próximo da meditação transcendental que George tanto praticava.

A ioga, as batas, os incensos e o I-Ching também faziam parte desse novo universo místico de Harrison. Foi quando abriu o livro milenar ao acaso e bateu os olhos na frase ‘gentle weeps’ que teve a inspiração para compor uma de suas melhores canções com os Beatles. A gravação de ‘While My Guitar Gently Weeps’ não foi tão simples, porém. Dos quatro George talvez fosse o mais perfeccionista. Buscava não apenas a beleza harmônica, mas um tipo de revelação através da música. Havia certo descaso com suas composições. Insatisfeito com a gravação, ele insistiu com o produtor George Martin e refez a canção do jeito que queria, incluindo a participação tornada mítica do amigo Eric Clapton.

Essa irredutibilidade, ou personalidade forte, de certa forma rimava com os traços firmes e o jeito introspectivo do músico. Em retrospecto, não parece à toa que George fosse responsável pelo começo simbólico e pelo fim do sonho que embalou todas as gerações a partir de 1961. E que tenha sido também ele, o beatle silencioso, quem fez maior barulho logo após o rompimento, em 1970. O álbum triplo (triplo!) ‘All Things Must Pass’, composto de canções que ele represou ao longo de sua convivência difícil nos Beatles, foi um sucesso absoluto de crítica e público. O single ‘My Sweet Lord’, um mantra de melodia irresistível, foi alçado ao Olimpo do pop, atingindo o primeiro lugar nas paradas de vários países do mundo, inclusive os Estados Unidos. Ápice do envolvimento de George com a espiritualidade indiana, o famoso fraseado de sua guitarra chorosa, que marca a música com a gentileza de um haikai num papiro, parece dirigir-se diretamente a Krishna, mas de forma que todos a ouvissem. A produção de Phil Spector, com uso de coros e baterias, fez com que a música soasse grandiosa sem perder a simplicidade. Talvez venha daí o segredo de George: a forma gentil e sincera de despertar os sentimentos.

E foi com esse espírito que preparou em seguida o grande e emocionante ‘Concerto para Bangladesh’ (1971), país que vinha sendo devastado pela miséria e guerra civil. George chamou os amigos Bob Dylan, Ravi Shankar, Eric Clapton e Ringo Starr, entre muitos outros, e realizou o primeiro concerto beneficente da história, reservando todos os lucros para a Unicef e a causa que tinha abraçado, envolvido com a religião ‘Hare Krishna’ até o fim da vida, e baseado em seus princípios humanitários, George viria a criar a fundação beneficente ‘Material World’. Lançou mais um disco de enorme sucesso, ‘Living in the Material World’ (1973), com outro número 1 nas paradas, ‘Give Me Love’ (Give Me Peace on Earth), e a partir daí sua carreira teve altos e baixos e também uma diversidade de atividades: aprimorou-se na jardinagem zen que praticava, passou a freqüentar corridas de Fórmula 1 e tornou-se produtor cinematográfico, envolvendo-se com o pessoal do ‘Monty Python’. Em 1999, num lance bizarro, sobreviveu às várias facadas de um intruso em sua casa, foi salvo pela segunda mulher, Olívia. Antes mesmo desse incidente quase fatal, ele já vinha combatendo um câncer. (por daniel benevides)

george harrison

Curiosidades

** Segundo o livro ‘The love you make’, escrito por Peter Brown (diretor da NEMS Enterprises, empresa dos Beatles), George, acompanhado da mulher, teria se declarado apaixonado por Maureen Starkey, mulher de Ringo, durante um jantar que reuniu os dois casais. Segundo Peter Brown, George e Maureen tiveram um caso após o incidente, mas ninguém jamais confirmou a história.

dhani harrison**Seu único filho Dhani Harrison é fisicamente tão parecido com George que quando foi realizado o show ‘The concert for George’, Paul McCartney disse que parecia que George estava lá jovem enquanto todos tinham envelhecido.

**Ele usou vários pseudônimos durante sua carreira. Entre eles: Arthur Wax, Carl Harrison, George Harrysong, George O'Hara, Hari Georgeson, Nelson Wilbury e Spike Wilbury.

**Em 2003, ele foi classificado no posto 21 da lista ‘Os 100 melhores guitarristas de todos os tempos’ elaborada pela revista musical ‘Rolling Stone’.

**A canção ‘Something’, totalmente de sua autoria, é a segunda música dos Beatles mais regravada de todos os tempos, atrás apenas de ‘Yesterday’ e a única outra de sua autoria a chegar ao topo das paradas na época dos Beatles, além de ‘For You Blue’, também de sua autoria, que foi single número um em 1970 junto com ‘The Long and Winding Road’.

George Harrison – Let It Roll (2009)

Let It Roll: Songs by George Harrison (2009)

Tracklist
01. Got My Mind Set on You 02. Give Me Love (Give Me Peace On Earth) 03. Ballad of Sir Frankie Crips (Let It Roll) 04. My Sweet Lord 05. While My Guitar Gently Weeps (Live) 06. All Things Must Pass 07. Any Road 08. This Is Love 09. All Those Years Ago 10. Marwa Blues 11. What Is Life 12. Rising Sun 13. When We Was Fab 14. Something (Live) 15. Blow Away 16. Cheer Down 17. Here Comes the Sun (Live) 18. I Don’t Want To Do It 19. Isn’t It a Pity

‘The Concert for George’ foi realizado no ‘Royal Albert Hall’ em Londres em 29 de Novembro de 2002 como um memorial a George Harrison um ano depois de sua morte. A homenagem foi organizado pela viúva de Harrison, Olivia, e o filho, Dhani, e sob a direção musical de Eric Clapton e Jeff Lynne. O arrecadado foi para a ‘Material World Charitable Foundation’.

Concert for George (2002)
(Live at Royal Albert Hall in London)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1
01. Sarve Shaam (traditional prayer includes a dedication by Ravi Shankar)
02. Your Eyes (Anoushka Shankar)
03. The Inner Light (Jeff Lynne – vocal / Anoushka Shankar – sitar)
04. Arpan (Ravi Shankar) by Anoushka Shankar- sitar / Eric Clapton - guitar

Tracklist CD 2
01. I Want to Tell You (Jeff Lynne)
02. If I Needed Someone (Eric Clapton)
03. Old Brown Shoe (Gary Brooker)
04. Give Me Love (Give Me Peace on Earth) (Jeff Lynne)
05. Beware of Darkness (Eric Clapton)
06. Here Comes the Sun (Joe Brown)
07. That’s The Way It Goes (Joe Brown)
08. Taxman (Tom Petty and The Heartbreakers)
09. I Need You (Tom Petty and The Heartbreakers)
10. Handle With Care” (Tom Petty and The Heartbreakers, Dhani Harrison and Jeff Lynne)
11. Aisn’t It a Pity (Billy Preston)
12. Photograph (Ringo Starr)
13. Honey Don’t” (Ringo Starr)
14. For You Blue (Paul McCartney)
15. Something (Paul McCartney and Eric Clapton)
16. All Things Must Pass (Paul McCartney)
17. While My Guitar Gently Weeps (Paul McCartney and Eric Clapton)
18. My Sweet Lord (Billy Preston)
19. Wah-Wah (Eric Clapton, plus a supergroup of guest musicians)
20. I’ll See You in My Dreams (Joe Brown) compositor Gus Kahn

Sabendo que iria morrer, gravou em 2001, com ajuda do único filho, Dhani, um último disco, ‘Brainwashed’, que acabou se tornando um de seus melhores trabalhos. Iluminado por estóica serenidade e até leveza, o CD revela a atitude única de George diante da morte, chega a dar a impressão de que ele canta as músicas sorrindo. Ao fim, ele faz ecoar o mantra: ‘Shiva Shiva Shankara Mahadeva’. Concluído pelo filho Dhani e Jeff Lynne após George sucumbir à longa doença 'Brainwashed' é um lembrete amargo das contradições inumeráveis que fez de Harrison uma figura tão atraente.

George Harrison - Brainwashed (2002)

Brainwashed (2002)

Tracklist
01. Any Road 02. Vatican Blues (Last Saturday Night) 03. Pisces Fish 04. Looking for My Love 05. Rising Sun 06. Marwa Blues 07. Stuck Inside A Cloud 08. Run So Far 09. Never Got Over You 10. Between the Devil & the Deep Blue Sea 11. Rocking Chair in Hawaii 12. Brainwashed

george harrison - all those years ago


muddy waters

muddy waters

‘Buda Negro’ como era chamado por B.B. King, é considerado, antes de qualquer outro artista, como quem tocou brilhantemente uma guitarra elétrica, como um dos responsáveis pela eletrificação do blues e inspiração para guitarristas que surgiram depois como Jimi Hendrix, Santana, Keith Richards entre outros. Os ‘Rolling Stones’ adotaram como nome da banda o título de uma de suas canções gravada em 1950; ‘Whole Lotta Love’ um dos maiores sucessos de Led Zeppelin foi baseada na canção ‘You Need Love’ gravada por ele, assim como a famosa canção de Bob Dylan, ‘Like a Rolling Stone’. McKinely Morganfield, esse era o nome de Muddy Waters, apelido recebido ainda menino, e que até sua morte em 1983, aos 68 anos, tocou com várias gerações de músicos e lhes ensinou a arte mais pura que aprendeu, ainda menino, enquanto pulava nas águas barrentas do velho Mississippi. Muddy Waters começou a tocar gaita de boca, ao ouvir os álbuns dos bluesmen rurais Robert Johnson e Son House, decidiu-se pelo violão slide e a partir dos 17 anos iniciou sua carreira. Em 1944 trocou seu violão pela guitarra elétrica e seguindo outros negros da zona rural mudou-se para Chicago. Combinando o blues rural com um moderno som urbano, suas mais famosas gravações foram feitas no final dos anos 40 e início dos 50.

Eric Clapton, Muddy Waters and Johnny Winter

Eric Clapton, Muddy Waters e Johnny Winter

Quando os jovens negros americanos começaram a demonstrar desinteresse pelo blues, Muddy partiu para a Europa. Na Inglaterra foi semente para bandas de rock n’roll que surgiam no começo dos anos 60 e suas canções estavam sempre no repertório das jovens bandas inglesas. Apresentando-se em festivais de blues, folk e jazz, sendo também figura importante na criação do estilo conhecido como Rhythm and Blues e seus country-blues gravados para os arquivos da biblioteca do Congresso Americano, Muddy Waters nunca teve o sucesso comercial daqueles que o seguiram. Na década de 60, há cinco anos sem um grande sucesso, Muddy era um nome mais lembrado do que tocado e os EUA assistiam o nascimento da cena folk. Assim, Leonard e Phil Chess, donos da lendária gravadora Chess, colocaram seus velhos bluesmen para gravarem blues acústicos. Muddy Waters foi um dos primeiros a receber a proposta que aceitou sem pestanejar, até porque gravações nesse estilo não eram segredo para ele. Foi também uma época boa para os velhos bluesmen que começaram a tocar novamente em universidades para garotos brancos e a ganhar algum dinheiro após anos de penúrias.

O disco ‘Folk Singer’ de 1964, marca um grande momento na vida de Muddy, ao tocar com três gigantes do blues que ele mesmo trouxe do Mississipi: o baixista e compositor Willie Dixon, o baterista Clifton James e na outra guitarra, aquele que se tornaria um dos grandes ídolos de Jimi Hendrix e Eric Clapton: Buddy Guy. ‘Folk Singer’ foi lançado com nove músicas e surpreendeu pelas guitarras de Muddy e Buddy Guy que alternavam solos, enquanto Wilie Dixon e Clifton James faziam a base. O disco abre com uma homenagem de Muddy ao rio Mississippi. ‘Electric Mud’ de 1968, é um álbum psicadélico que Leonard e Phil Chess, convenceram Muddy Waters a gravar e foi o oitavo álbum de uma extensa discografia. Para construir o álbum, Muddy Waters tomou canções já gravadas por ele e por outros e as reconstruiu. Inicia-se com duas músicas de Willie Dixon e chega ao fim com mais duas covers, uma de Charles Williams e outra de Willie Dixon. É um álbum com muita guitarra elétrica tocada de forma agressiva, exaltada, exatamente pela influência dos arranjos psicodélicos de Jimi Hendrix. Uma aula de blues elétrico.

willie dixon muddy waters buddy guy

Willie Dixon, Muddy Waters e Buddy Guy

Em 1977, Muddy Waters lançou seu triunfante álbum de retorno 'Hard Again' gravado pela ‘Blue Sky’ após Muddy deixar a lendária 'Chess Records'. É a primeira parceria entre Muddy Waters e Johnny Winter, e o álbum revitalizou o blues moderno, trazendo Muddy Waters para uma nova geração e apresentando uma banda com músicos consagrados. Para celebrar este álbum ganhador do 'Grammy Award', foi iniciada uma turnê mundial que se tornou uma lenda ao reunir alguns dos maiores músicos de blues da história no auge de seus talentos: Muddy Waters, Johhny Winter, James Cotton, Pinetop Perkins, Bob Margolin, Willie ‘Big Eyes’ Smith e Charles Calmese. Cobertas de fuligem várias caixas de fitas de gravação, muitas rotuladas com o nome de Muddy Waters, foram quase jogadas fora depois de terem sido abandonadas pelo extinto selo ‘Blue-Sky’. Felizmente, não só essas caixas foram salvas, mas as músicas nelas contidas. Vários álbuns foram gravados compostos por materiais encontrados nessas caixas. ‘Breakin' It Up & Breakin' It Down‘ gravado em 2003 foi o último tesouro a ser escavado a partir do que quase foi para o lixo. O álbum captura a histórica turnê de Muddy Waters, Johhny Winter e James Cotton e apresenta alguns dos melhores materiais de Muddy Waters gravados ao vivo. (fontes da pesquisa: mofo e revista cultural)

Muddy Waters - Folk Singer (1964)

Folk Singer (1964)

Tracklist
01. My Home Is In The Delta 02. Long Distance 03. My Captain 04. Good Morning Little School Girl 05. You Gonna Need My Help 06. Cold Weather Blues 07. Big Leg Woman 08. Country Boy 09. Feel Like Going Home 10. You can't lose what you 11. The same thing (Willie Dixon)

muddy waters - electric mud (1968)

Electric Mud (1968)

Tracklist
01. I Just Want To Make Love To You 02. I'm Your Hoochie Coochie Man 03. Let's Spend The Night Together 04. She's Alright 05. Mannish Boy 06. Herbert Harper's Free Press News 07. Tom Cat 08. The Same Thing

muddy waters - Breakin' It Up & Breakin' It Down (2003)

Breakin' It Up & Breakin' It Down (2003)
(muddy waters, johnny winter & james cotton)

Tracklist
01. Black Cat Bone/Dust My Broom 02. Can t Be Satisfied 03. Caledonia 04. Dealin With The Devil 05. Rocket 88 06. I Done Got Over It 07. How Long Can A Fool Go Wrong 08. Mama Talk To Your Daughter 09. Love Her With A Felling 10. Trouble No More 11. Got My Mojo Workin

the complete muddy waters

The Complete Muddy Waters 1947-1967 (1992)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4    CD 5    CD 6    CD 7    CD 8    CD 9

Tracklist CD 1
01- Gypsy Woman 02- Little Anna Mae 03- Good Looking Woman 04- Mean Disposition 05- I Can't Be Satisfied 06- I Feel Like Going Home 07- Train Fare Home Blues 08- Down South Blues 09- Kind Hearted Woman 10- Sittin' Here And Drinkin' (Whiskey Blues) 11- You're Gonna Miss Me 12- Mean Red Spider 13- Stand Here Tremblin' 14- Streamline Woman 15- Hard Days 16- Muddy Junps One 17- Little Geneva 18- Canary Bird 19- Burying Ground 20- Screamin' And Cryin' 21- Where's My Woman Been 22- Last Time I Fool Around With You 23- Rollin' And Tumblin' (Part 1) 24- Rollin' And Tumblin' (Part 2)

Tracklist CD 2
01- Rollin' Stone 02- Walking Blues 03- You're Gonna Need My Help I Said 04- Sad Letter Blues 05- Early Morning Blues 06- Appealing Blues 07- Louisiana Blues 08- Evans Shuffle 09- Long Distance Call 10- Too Young To Know 11- Honey Bee 12- Howling Wolf 13- Country Boy 14- She Moves Me 15- My Fault 16- Still A Fool 17- They Call Me Muddy Waters 18- All Night Long 19- Stuff You Gotta Watch 20- Lonesome Day 21- Please Have Mercy 22- Who's Gonna Be Your Sweet Man 23- Standing Around Crying 24- Gone To Main Street 25- Iodine In My Coffee

Tracklist CD 3
01- Flood 02- My Life Is Ruined 03- She's All Right 04- Sad Sad Day 05- Turn The Lamp Down Low (Baby Please Don't Go) 06- Loving Man 07- Blow Wind Blow 08- Mad Love (I Want You To Love Me) 09- Hoochie Coochie Man 10- She's So Pretty 11- I Just Want To Make Love To You 12- Oh Yeh 13- I'm Ready 14- Smokestack Lightning 15- I Don't Know Why 16- I'm A Natural Born Lover 17- Ooh Wee 18- This Pain 19- Young Fashioned Ways 20- I Want To Be Loved 21- My Eyes (Keep Me In Trouble) 22- Mannish Boy 23- I Got To Find My Baby 24- Sugar Sweet 25- Trouble No More 26- Clouds In My Heart

Tracklist CD 4
01- Forty Days And Forty Nights 02- All Aboard 03- Just To Be With You 04- Don't Go No Further 05- Diamonds At Your Feet 06- I Live The Life I Love, I Love The Life I Live 07- Rock Me 08- Look What You've Done 09- Got My Mojo Working 10- Good News 11- Evil 12- Come Home Baby, I Wish You Would 13- Let Me Hang Around 14- I Won't Go On 15- She's Got It 16- Born Lover 17- She's 19 Years Old 18- Close To You 19- Walkin' Thru The Park 20- Blues Before Sunrise 21- Mean Mistreater 22- Crawlin' Kingsnake

Tracklist CD 5
01- Lonesome Road Blues 02- Moppers Blues 03- Take The Bitter With The Sweet 04- She's Into Something 05- Southbound Train 06- Just A Dream 07- I Feel So Good 08- Hey Hey 09- Love Affair 10- Recipe For Love 11- Baby I Done Got Wise 12- Tell Me Baby 13- When I Get To Thinking 14- Double Trouble 15- Woman Wanted 16- Read Way Back 17- I'm Your Doctor 18- Deep Down In My Heart 19- Tiger In Your Tank 20- Soon Forgotten 21- Meanest Woman 22- I Got My Brand On You

Tracklist CD 6
01- I Got My Brand On You 02- Hoochie Coochie Man 03- Baby Please Don't Go 04- Soon Forgotten 05- Tiger In Your Tank 06- I Feel So Good 07- Got My Mojo Working (Part 1)
08- Got My Mojo Working (Part 2) 09- Goodbye Newport Blues 10- Real Love 11- Lonesome Room Blues 12- Messin' With The Man 13- Going Home 14- Down By The Deep Blue Sea 15- Muddy Waters Twist 16- Tough Times 17- You Shook Me 18- You Need Love 19- Little Brown Bird 20- Five Long Years 21- Brown Skin Woman 22- Twenty Four Hours 23- Coming Round The Mountain 24- Let Me Hang Around

Tracklist CD 7
01- Elevate Me Mama 02- So Glad I'm Living 03- My Love Strikes Like Lightning 04- Early In The Morning 05- One More Mile 06- 13 Highway 07- You Don't Have To Go 08- Things I Used To Do 09- Wee Wee Baby 10- Sitting And Thinking 11- Clouds In My Heart 12- Got My Mojo Working 13- She's 19 Years Old 14- My Home Is In The Delta 15- Long Distance 16- My Captain 17- Good Morning Little School Girl 18- You Gonna Need My Help 19- Cold Weather Blues 20- Big Leg Woman 21- Country Boy 22- Feel Like Going Home

Tracklist CD 8
01- Same Thing 02- You Can't Lose Want You Ain't Had 03- My John The Conquer Root 04- Short Dress Woman 05- Put Me In Your Lay Away 06- My Dog Can't Bark 07- I Got A Rich Man's Woman 08- Making Friends 09- Betty And Dupree 10- Trouble 11- Black Night 12- Trouble In Mind 13- Take My Advice 14- Hard Loser 15- Going Back To Memphis 16- Piney Brown Blues 17- Sweet Little Angel 18- Corine, Corina 19- It's All Over 20- County Jail 21- Two Steps Forward 22- Blind Man 23- Find Yourself Another Fool 24- Kinfolk's Blues 25- Birdnest On The Ground 26- When The Eagle Flies

Tracklist CD 9
01- Rollin' Stone (Alt) 02- All Night Long (Alt) 03- She's All Right (Alt) 04- Baby Please Don't Go (Alt) 05- Hoochie Coochie Man (Alt) 06- Take The Bitter With The Sweet (Alt 1) 07- Take The Bitter With The Sweet (Alt 2) 08- She's Into Something (Alt) 09- Recipe For Love (Alt) 10- Woman Wanted (Takes 1-8) 11- Read Way Back (Takes 1-9) 12- You Shook Me (Alt) 13- Elevate Me Mama (Alt) 14- You Don't Have To Go (Alt)

muddy waters - the same thing
(muddy waters, willie dixon, clifton james & buddy guy)



ópera rock: joe's garage

frank zappaControvertido, cínico, mordaz, irônico, polêmico, inovador, adjetivos que são marcas de Frank Zappa, um dos mais estranhos e geniais músicos do rock, apaixonado por sua arte, e que nunca permitiu ser rotulado. Por ter sido um crítico incansável do conformismo, da mediocridade e da hipocrisia, a música de Zappa foi muito usada pela juventude, envolvida em diversos conflitos políticos na época, uma de suas músicas tornou-se hino dos estudantes da antiga Tchecoslováquia, que lutavam contra o regime comunista vigente no país. O ‘american way of life’ era um de seus alvos preferenciais, bem como a Igreja, com sua moral duvidosa, e o Estado, que eram considerados por ele uma coisa só.

Em 1985, Zappa foi uma das principais vozes a se levantar contra o PMRC (Parents’ Music Resource Council), organização liderada por Tipper Gore, esposa do então senador Al Gore, que acusava a indústria fonográfica de expor a juventude, através das letras das músicas, ao sexo, à violência, às drogas e ao álcool. Zappa declarou que não passava de um grupo de donas-de-casa entediadas, acusou o conselho de censura à liberdade de expressão, primeiro em uma carta aberta ao Presidente Ronald Reagan e, depois, numa série de depoimentos perante o comitê do Senado americano. E considerava que o seu trabalho contribuia para um melhor esclarecimento político das pessoas. Todo o seu trajeto foi marcado por uma simples obsessão: a expressão livre do indivíduo.

Ike Willis e frank zappaNa ópera rock Joe's Garage: Acts I, II e III de 1979, que conta a história do que poderia acontecer se a música tornar-se ilegal, todas as canções foram escritas, arranjadas e conduzidas por Frank Zappa. Os principais temas da história incluem as bandas de garagem, zombarias em torno da Cientologia, mas, sobretudo, a censura da música como uma forma de arte. A ópera começa com a ‘The Central Scrutinizer’ que explica que o seu trabalho é fazer cumprir as leis, quando a música for ilegal e mostrar o que pode acontecer se alguém escolher uma carreira na música, como Joe o protagonista da ópera, que costumava ser um bom menino e cortar a grama dos vizinhos, mas quando descobriu o rock, ele passa todo o seu tempo tocando música em sua garagem, e por causa do som alto, os vizinhos, muitas vezes são obrigados a chamar a polícia. Na delegacia, o conselheiro sempre lhe dá um donut e o aconselha a ficar mais perto da Igreja exercendo atividades sociais. Joe encontra uma nova namorada, Maria, uma menina católica que o abandona para seguir a banda ‘Toad-O’. Deprimido Joe tem relações sexuais com Lucille, uma garota que trabalha no ‘Jack-In-The-Box’ e que lhe transmite uma doença venérea a qual, Joe diz ter contraído no banheiro.

No ato II, Joe volta-se para a religião e contribui com dinheiro para ‘L. Ron Hoover’ da Primeira Igreja de Appliantology (uma paródia da Igreja da Cientologia). Ali, Joe descobre que poderá obter uma gratificação sexual através do uso de máquinas em um clube onde os seres humanos podem ter relações sexuais com aparelhos. Joe localiza uma máquina que gosta Sy Borg. Joe acaba por destruir Sy e como deu todo o seu dinheiro à Igreja e, portanto, é incapaz de pagar pelos danos, é jogado em uma prisão especial que é pintada toda de verde e lotada por criminosos do mundo da música. Joe é repetidamente violentado por músicos e ex-executivos de gravadoras, quando não está cheirando linhas de detergente. No ato III, Joe é libertado da prisão, e a música já é ilegal. Desequilibrado mentalmente começa a imaginar todas as notas da guitarra que ele não pode mais tocar. Ike Willis, cantor e guitarrista que foi um sideman regular de Frank Zappa é quem canta a música ‘Joe's Garage'.

ike willis - joe's garage


frank zappa - joe's garage (1979)

Joe's Garage: Acts I, II & III (1979)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1
01. Central Scrutinizer 02. Joe's Garage 03. Catholic Girls 04. Crew Slut 05. Fembot in a Wet T-Shirt 06. On the Bus 07. Why Does It Hurt When I Pee? 08. Lucille Has Messed My Mind Up 09. Scrutinizer Postlude 10. Token of My Extreme 11. Stick It Out 12. Sy Borg

Tracklist CD 2
01. Dong Work for Yuda 02. Keep It Greasey 03. Outside Now 04. He Used to Cut the Grass 05. Packard Goose 06. Watermelon in Easter Hay 07. Little Green Rosett

Act I
Side one
01. "The Central Scrutinizer" 02. "Joe's Garage" 03. "Catholic Girls" 04. "Crew Slut"
Side two
01. "Fembot in a Wet T-Shirt" (aka "Wet T-Shirt Nite") 02. "On the Bus" (aka "Toad-O Line") 03. "Why Does It Hurt When I Pee?" 04. "Lucille Has Messed My Mind Up" 05. "Scrutinizer Postlude" –

Act II
Side one
01. "A Token of My Extreme" 02. "Stick It Out" 03. "Sy Borg"
Side two
01. "Dong Work for Yuda" 02. "Keep It Greasey" 03. "Outside Now"

Act III
Side three
01. "He Used to Cut the Grass" 02. "Packard Goose"
Side four
01. "Watermelon in Easter Hay" 02. "A Little Green Rosetta"

joss stone

joss stoneJanis Joplin assombrou o mundo ao arrancar das entranhas ‘Summertime’ do russo Jacob Gershovitz, aliás, George Gershwin, com sua voz comparada às das maiores cantoras negras do blues. Aliás, ‘Summertime’ baseada em uma canção de ninar ucraniana, não foi composta para Janis Joplin e sim para a ópera ‘Porgy and Bess’ de 1935. Em 2003 foi a vez da inglesinha branca de 16 anos Joss Stone de nos encher de assombro ao cantar como se fosse negra nascida no delta do Mississippi. Considerada fenômeno do soul a cantora inglesa que nasceu em Dover, Kent, Inglaterra e passou a sua adolescência na vila de Ashill, Devon, antes de atingir a idade de 19 anos vendeu milhões de álbuns, foi indicada para quatro Grammys, dividiu o palco com lendas como James Brown, Rolling Stones, Stevie Wonder, Elton John e Donna Summer, foi entrevistada por Oprah Winfrey e estrelou duas campanhas publicitárias. Eclética no repertório, ela vai da soul music ao blues, com muito balanço e tem sido apontada como a mais jovem estrela na tradição musical da Motown, a gravadora das ‘Supremes’ e de ‘Marvin Gaye’. O que mais surpreende os críticos é como uma inglesinha branca nascida em uma cidadezinha pode ter voz, ritmo e experiência para cantar a música negra americana, do soul ao blues?

joss stoneJoss Stone cresceu escutando uma grande variedade de gêneros musicais, incluindo R&B e soul music cantados por artistas como Dusty Springfield e Aretha Franklin. Interpretando a música de Donna Summer ‘On the Radio’ optou pela soul music principalmente por causa dos vocais que exigia. Em 2002, saiu da Inglaterra para uma audição em Nova York com Steve Greenberg, o chefe do setor executivo de uma grande gravadora. Após assinar um contrato foi para Miami para começar a trabalhar no seu primeiro álbum ‘The Soul Sessions’ lançado em 2003. O álbum consiste em covers de soul music pouco conhecidas de Wright, Franklin, Laura Lee e Bettye Swann e alcançou as paradas da Inglaterra e EUA. Após conseguir aclamação crítica, Stone gravou em 2004 o seu segundo álbum ‘Mind, Body & Soul’, dessa vez composto de músicas originais e foi um sucesso ainda maior que seu antecessor. Em 2005, Stone foi indicada a três ‘Brit Awards’, dos quais ganhou dois e também foi indicada a três ‘Grammy Awards’ onde ela cantou descalça no palco com a cantora Melissa Etheridge, em tributo à Janis Joplin, além de emprestar seus talentos vocais à trilha sonora do filme ‘Fantastic Four: The Rise of the Silver Surfer’.

joss stoneO terceiro álbum ‘Introducing Joss Stone’ de 2007 é diferente dos outros por ter um estilo mais pop e soul contemporâneo. Para a divulgação Joss abandonou os cabelos louros, do início da carreira, e o ar de menininha por uma pose mais agressiva, corpo tatuado e cabelos tingidos de vermelho e ondulados. Hoje camaleônica Joss Stone desfila de cabelos negros e alisados. O mais recente disco ‘Colour Me Free’, contou com importantes colaborações, dentre elas a de Jeff Beck em ‘Parallel Lines’. A bonita balada ‘4 and 20’ lembra as ‘girls groups’ dos anos 60. ‘Big Ol’ Game’ vem na mesma linha com vocal de Saadiq. Em tom de protesto político, ‘Governmentalist’ tem rap na voz de Nas. E não faltou o blues com o cover 'I Believe It to My Soul’, de Ray Charles e acompanhada pelo saxofonista David Sanborn. Assim que lançado, o álbum entrou para o top 10 de vendas nos Estados Unidos. Além de ter editado o novo álbum, Joss estreou como atriz na série norte-americana, ‘The Tudors’, onde interpreta o papel de Ana de Cleves, a quarta mulher de Henrique VIII. Joss também encanta com suas atitudes altruístas, como por exemplo, a mensagem que deixou no seu website conclamando algum fã para adotar um cachorro chamado Gogo, que ela recolheu das ruas em Los Angeles. ‘Ele tem por volta de 3 anos, é um adorável garoto, e precisa de um lar’, escreveu.

Joss Stone - The Soul Sessions (2003)

The Soul Sessions (2003)

Tracklist
01. The Chokin' Kind 02. Super Duper Love 03. Fell In Love With A Boy 04. Victim Of A Foolish Heart 05. Dirty Man 06. Some Kind Of Wonderful 07. I've Fallen In Love With You 08. I Had A Dream 09. All The King's Horses 10. For The Love Of You

Joss Stone - Mind, Body & Soul (2004)

Mind, Body & Soul (2004)

Tracklist
01. Right to Be Wrong 02. Jet Lag 03. You had me04. Spoiled 05. Don't Cha Wanna Ride 06. Less Is More 07. Security 08. Young at Heart 09. Snakes and Ladders 10. Understand 11. Don't Know How 12. Torn and Tattered 13. Killing Time 14. Sleep Like a Child 15. Daniel

Joss Stone - Introducing Joss Stone (2007)

Introducing Joss Stone (2007)

Tracklist
01. Change (Vinnie Jones Intro) 02. Girl They Won't Believe It 03. Headturner 04. Tell Me `Bout It 05. Tell Me What We're Gonna Do Now feat. Common 06. Put Your Hands On Me 07. Music feat. Lauryn Hill 08. Arms Of My Baby 09. Bad Habit 10. Proper Nice 11. Bruised But Not Broken 12. Baby Baby Baby 13. What Were We Thinking 14. Music Outro

Joss Stone - Colour Me Free (2009)

Colour Me Free (2009)

Tracklist
01. Free Me 02. Could Have Been You 03. Parallel Lines (feat. Jeff Beck & Sheila E.) 04. Lady 05. 4 And 20 06. Big ol Game (feat. Raphael Saadiq) 07. Governmentalist (feat. Nas) 08. Incredible 09. You Got The Love 10. I Believe It To My Soul (feat. David Sanborn) 11. Stalemate (feat. Jamie Hartman) 12. Girlfriend On Demand

joss stone & david sanborn - I believe it to my soul


kin ping meh

kin ping mehNão, ‘Kin Ping Meh’ não é uma banda chinesa, é alemã e embora seja rotulada como krautrock é uma banda de rock progressivo e hard rock formada em 1970 em Manheim, cujo embrião era o grupo escolar ‘Thunderbirds’ e tinha Werner Stephan nos vocais; Joachim Schafer na guitarra, piano e vocais; Fritz Schmitt no órgão e piano; Torsten Herzog no baixo e Kalle Weber na bateria. O gênero krautrock deriva da palavra krauts (chucrute) que era um termo depreciativo usado para os soldados alemães na Segunda Guerra Mundial, e foi criação de John Peel, apresentador de destaque de uma estação de rádio britânico em 1968, que o utilizava para designar as bandas de rock da Alemanha Ocidental que se destacavam internacionalmente.

O nome da banda, ‘Kin Ping Meh’, significa ‘um ramo de flor de ameixa em um vaso de ouro’ foi retirado de um romance chinês do século 16 que retrata a vida e os costumes da época. E os integrantes tinham como modelo as bandas inglesas ‘Deep Purple’, ‘Uriah Heep’ e ‘Spooky Tooth’. Em 1970, deram o primeiro concerto e nos meses seguintes participaram de sete concursos importantes. Foram descobertos pelos caçadores de talentos da ‘Polydor’ em 1971, e antes da gravação do primeiro álbum Joachim Schafer, que deixou a banda, foi prontamente substituído por Willie Wagner. O ano de 1972 foi um ano muito bom para ‘Kin Ping Meh’, participaram de um musical anti-drogas, compuseram a trilha sonora para um seriado, abriram os Jogos Olímpicos de Vela de Kiel, saíram em turnê com Rory Gallagher e lançaram o segundo álbum ‘Nº 2' que conta com um cover dos Beatles: Come Together. Mas o grupo pagou um alto preço por estar constantemente na estrada: Willie Wagner, Werner Stephan e Torsten Herzog saíram para serem substituídos por Gerhard ‘Gagey’ Mrozeck, Uli Gross, o baixista britânico Alan Joe Wroe e seu conterrâneo Geff Harrison. Com essa formação gravaram ‘Kin Ping Meh 3’ que contou com um coro feminino.

kin ping meh - Kalle WeberE foi principalmente por causa do vocalista Geff Harrison que a banda desenvolveu uma imagem de hard rock e apareceu em alguns programas de televisão com ‘Deep Purple’ e ‘Slade’. O quarto álbum ‘Virtues & Sins’ recebeu comparações com os ‘Rolling Stones’ e ‘Spooky Tooth’. Em 1976 lançaram ‘Concrete’, um álbum ao vivo. Após o término do contrato com a gravadora, Geff Harrison e Alan Joe Wroe deixaram a banda, os outros integrantes ainda tentaram um novo começo, mas foram incapazes de continuar a história de sucesso, principalmente por causa do fraco desempenho vocal. No verão de 1977, a banda finalmente foi extinta. Em novembro de 1982 aconteceu um show revival de ‘Kin Ping Meh’ na Universidade de Berlim, mas o grupo era constituído principalmente por membros da banda de Geff Harrison, Gerhard Mrozeck e Kalle Weber não participaram. Kalle Weber, da formação original da banda, morreu de um ataque cardíaco em 1995.

kin ping meh

kin ping meh - fairy tales


Kin Ping Meh - Kin Ping Meh (1971)

Kin Ping Meh (1971)

Tracklist
01. Fairy Tales 02. Sometime 03. Don't You Know 04. Too Many People (Live) 05. Drugsen's Trip 06. My Dove 07. Everything 08. My Future 09. Everything's My Way 10. Woman 11. Every Day 12. Alexandra 13. Too Many People

Kin Ping Meh - Nº 2 (1972)

Kin Ping Meh Nº 2 (1972)

Tracklist
01. Come Down To The Riverside 02. Don't Forget Your Horse 03. Come Together 04. Together Jam 05. Livable Ways 06. Day Dreams 07. Very Long Ago 08. I Wonna Be Lazy 09. Sometime 10. Sunday Morning Eve

Kin Ping Meh - Kin Ping Meh 3 (1973)

Kin Ping Meh 3 (1973)

Tracklist
01. Come On In 02. Random 03. Love Is The Day 04. Rock Is The Way 05. Circus 06. Mrs. Holmes

Kin Ping Meh - Virtues & Sins (1974)

Virtues & Sins (1974)

Tracklist
01. Good Time Gracie 02. Your're A Liar 03. Night-Time Glider 04. When Summer's Gone 05. Whisky Flyer 06. Rich Kid Blues 07. Living Your Lies 08. Virtue And Sins

Kin Ping Meh – Concrete (1976)

Concrete (1976)
CD 1    CD 2

CD 1
01. Light Entertainment 02. Come Together 03. Too Many People 04. Me and I 05. I Want to Die A Millionaire 06. Night-Time Glider 07. East Winds

CD 2
01. High Time Whiskey Flyer 02. Blue Horizon 03. Dancing in the Street 04. Don't Force Your Horse 05. Good Time Gracie 06. Rock Is the Way

Kin Ping Meh - Fairy Tales and Cryptic Chapters (1998)

The Greatest Hits 1970-2002
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4

CD 1: Take Five Dreams Until Kissing Time
01. Fantasy I 02. I Love You More Than You'll Ever Know 03. Something 04. You've Made Me So Very Happy 05. Light My Fire (Doors) 06. Spinning Wheel 07. My Future 08. Too Many People 09. Haze 10. In A Better Way 11. Old Man From Peru 12. Woman (Live) 13. Organ Intro 14. My Dove 15. Fairy Tales 16. Fantasy II

CD 2: Live Lessons At Bier's Dancing School
01. I Believe, that I'm a Winner 02. Help 03. Forget It, I Got It 04. Everyday (Live) 05. Don't You Know (Live) 06. I'm a Man (Live) 07. Progressive Blues Jam 08. Everything's My Way 09. Child in Time 10. Alexandra (Live) 11. Salty Dog 12. Happy Song 13. Killing Time

CD 3: Sometime Beside Drugson's Trip
01. Good Morning Kin Ping Meh 02. Everything's My Way (Live) 03. Everything's My Way (Alternate Instrumental) 04. My Future (Alternate Instrumental) 05. Too Many People (Alternate Instrumental) 06. Theme From Fairy Tales (Alternate Instrumental) 07. Don't You Know (Alternate Instrumental) 08. Final Blues (Alternate Instrumental) 09. The Ballad Of Drugson's Trip (Live) 10. Sometime (Live 1971) 11. Don't Get Confused (Live Early Fairy Tales) 12. Help (Live) 13. Too Many People 14. Do It Babe (Early Dove Version) 15. Drugson's Trip

CD 4: Final Cuts From Bier Conventions
01. Stage Announcements 02. Everything's my Way 03. Haze 04. Witch Craft 05. In a Better Time 06. Salty Dog 07. I'm a Man 08. Child in Time 09. Stage Announcement by Joachim Schafer 10. Everything's My Way 11. Salty Dog 12. Alexandra (Rehearsal for a Musical Called Rausch)

farinelli: il castrato

farinelli - il castratoCastrato (plural castrati) é um cantor masculino cuja extensão vocal corresponde à das vozes femininas, seja de soprano, mezzo-soprano, ou contralto. E isso somente era possível com uma cirurgia onde eram cortados canais provenientes dos testículos. Essa prática teve início com o surgimento da necessidade de vozes agudas nos coros das igrejas da Europa Ocidental, já que a Igreja Católica Romana não aceitava mulheres no coro das igrejas. Os castrati eram muito populares e, sobretudo, reputados artistas da ópera italiana. Castrados antes da puberdade mantinham cordas vocais pequenas que lhes possibilitavam alcançar os timbres mais altos. Um intenso treinamento conferia à voz de um castrato uma combinação virtuosa de voz masculina emitida por poderosos pulmões adultos, capaz de chegar aos extremos agudos da escala musical. A prática nasceu na Itália do século 17, onde anualmente cerca de 4 mil garotos, em geral de famílias pobres, eram castrados a partir dos oito anos de idade. O procedimento foi banido em 1870, mas o último castrato, Alessandro Moreschi, ainda chegou a gravar em 1902. Poucos castrati chegavam ao sucesso, mas os que o faziam se tornavam as estrelas artísticas de seu tempo, e se comportavam como tal. Os que conseguiam ir além de uma vida relativamente desconhecida como cantores de ópera ou solistas de igreja cobravam cachês astronômicos e tinham legiões de admiradores.

O cinema franco-belga-italiano imortalizou o mais famoso castrato do século XVIII: Farinelli (1705 - 1782), como era conhecido Carlo Maria Broschi, o mais popular e bem pago cantor de ópera da Europa, no século XVIII, e que foi castrado quando tinha apenas 10 anos de idade. Em 1994, foi lançado o filme ‘Farinelli - Il Castrato’, dirigido por Gerard Corbiau. O filme focaliza a vida do mítico cantor italiano que iniciou sua carreira ao lado do irmão, o pianista Riccardo Broschi, e que na fase adulta conquistou uma voz inigualável, jamais alcançada por outro cantor de ópera; especula-se que Farinelli cantava até 250 notas mantendo o mesmo fôlego. Aluno de Nicola Porpora ganhou muito prestígio em toda a Europa. Aparece como um galã, de olhar triste e solitário, que encerrou a carreira como cantor exclusivo do rei Felipe V da Espanha, que o contratou porque seu canto era a única coisa que o tirava da depressão.

coral de castatri    alessandro moreschi    farinelli

Coral de 'castrati' da Santa Sé; Alessandro Moreschi, tido como o último 'castrato' e o mais famoso entre os 'castrati', Carlo Broschi (Farinelli), ao lado da pintura de Euterpe, uma das nove musas da mitologia grega. Filha de Zeus e Mnemósine era a musa da música. No final do período clássico, foi nomeada a musa da poesia lírica.

O filme não trata apenas da glória, fama e riqueza. Mostra também um universo barroco de sofrimento, desprezo e expiação. Farinelli podia ser comparado a um semideus pela voz angelical de soprano, mas ainda assim era tão humano quanto qualquer um, com falhas e fraquezas. O cineasta belga não se limita apenas a relatar a história de Farinelli, mas também cria inúmeras controvérsias sobre o passado pouco conhecido do cantor. O filme mostra também como Farinelli, embora plebeu, foi revolucionário, fazendo a nobreza inclinar-se diante de si; e depois o desprezo dessa mesma nobreza aos cantores castrati que ao perderem força junto a arte européia passaram a ser vistos como meio homens na ótica social da época. A produção utiliza-se, como trilha sonora, de temas musicais de compositores barrocos como Riccardo Broschi, irmão de Farinelli, Johann Adolf Hasse, Giovanni Battista Pergoli, Nicola Antonio Porpora e o mais emblemático de todos, Georg Friedrich Händel, que quase vai à falência devido ao que vive com Farinelli quando este rouba o público de seu teatro para o do concorrente.

farinelli - son qual nave ch'agitata


soundtrack - Farinelli - Il Castrato (1995)

Farinelli - Il Castrato (1995)

Tracklist
01. Son qual nave ch'agitata (Riccardo Broschi)
02. Alto giove (Nicola Porpora)
03. Se al labbro mio non credi (Riccardo Broschi)
04. Ombra fedele anch'io (Riccardo Broschi)
05. Artaserse (Johann-Adolf Hasse)
06. Lascia ch'io pianga (Georg-Friedrich Haendel)
07. Cara Sposa (Georg-Friedrich Haendel)
08. Rinaldo (Georg-Friedrich Haendel)
09. Generoso risuegliati o coro (Johann-Adolf Hasse)
10. Salve Regina (Giovanni-Battista Pergolese)
11. Alto Giove (Nicola Porpora)

gloria gaynor

Gloria Fowles, ficou mais conhecida como Gloria Gaynor por seus sucessos da era disco, com os hits ‘Never can say goodbye’ (1973) e ‘I will survive’ (1979). Nascida em New Jersei, Gloria era cantora da banda de jazz-pop ‘Soul Satisfiers’ nos anos 60. Sua primeira gravação solo de sucesso foi ‘She"ll Be Sorry/Let Me Go Baby’, em 1965. Com ‘Never can say goodbye’, Gloria alcançou o primeiro posto na parada dance da Billboard, sendo a primeira canção do gênero disco a conseguir essa façanha. A letra de ‘I Will Survive’ foi escrita do ponto de vista de uma mulher, recém abandonada, dizendo ao ex-amante que pode se cuidar sozinha, que não precisa mais dele e antes só do que mal acompanhada. A música tornou-se um hino da emancipação feminina, e também dos gays norte-americanos. A canção lhe rendeu um prêmio Grammy e também fez parte de dezenas de trilhas sonoras de filmes, e em 2005, Glória e o hit foram nomeados para o ‘Dance Music Hall of Fame’ em Nova Iorque.

Além dos hits, Glória Gaynor foi a primeira artista a gravar um disco em versão ‘extended’, que são aqueles álbuns produzidos especialmente para as pistas de dança. Neles, todas as músicas estão em seqüência, ou seja, não há intervalo entre elas. Junto com Donna Summer, Glória ajudou a tornar a Disco Music uma febre mundial. Foi condecorada como ‘lenda’ pela ‘World Music Awards’, participou do musical ‘Smokey Joe’s Café’ da Broadway, e ainda estrelou episódios de algumas séries muito populares como ‘That’s 70’s Show’ e ‘Ally McBeal’. Seus discos, ainda hoje, são uma maratona de dança muito tocados nas pistas de todo o mundo. Aos 57, famosa e ícone gay nos anos 70, agora é evangélica e canta gospel. O retrocesso e a arrogância foram inevitáveis. Perguntada em entrevista para uma rádio britânica se condenava a homossexualidade, a cantora se negou a revelar o que pensa sobre o assunto limitando-se a dizer que quer levar os gays para a ‘verdade’.

gloria gaynor

gloria gaynor - the heat is on


Gloria Gaynor – I Will Survive The Anthology

I Will Survive: The Anthology (1998)
CD 1    CD 2

Tracklist: CD 1
01. I Will Survive 02. Never Can Say Goodbye 03. I Am What I Am 04. Reach Out I’ll Be There 05. Stop In The Name Of Love 06. Can’t Take My Eyes Off You 07. The Heat Is On 08. Feel So Real 09. The Power Of Love 10. What A Wonderful World 11. Top Shelf 12. The Reason For The Season 13. (If You Want) Do It Yourself 14. Mama San

Tracklist: CD 2
01. I Want To Know What Love Is 02. Broken Wings 03. Careless Whisper 04. Feelings 05. Suddenly 06. He’s Out Of My Life 07. Every Breath You Take 08. Everytime You Go Away 09. The Eye Of The Tiger 10. Everybody Wants To Rule The World 11. How High The Moon 12. Don’t You Dare Call It Love 13. Greatest Hits Medley: I Will Survive/Never Can Say Goodbye/Reach Out I

dolores o'riordan = the cranberries

mulheres no rock'n'roll
chrissie hynde = the pretenders
crucified-barbara
doro pesch = warlock
girlschool
imelda may
janis joplin
joan jett | lita ford = the runaways
siouxsie and the banshees
wendy o williams = plasmatics

the cranberriesCom músicos limitados e uma vocalista excepcional, Dolores O'Riordan, cuja voz foi fundamental para o sucesso da banda, ‘The Cranberries’ surgiu na Irlanda depois do U2, com o nome ‘Cranberry Saw Us’, criação dos irmãos Hogan, o guitarrista Noel Anthony e o baixista Michael Gerard que se juntaram ao baterista Fergal Patrick Lawler. O nome mudou quando Dolores substituiu Niall, o vocalista original. Dolores para ser aceita teve que participar de um teste para o qual compôs ‘Linger’. Com a formação completa eles começaram a fazer shows e a gravar fitas demo que mandavam para as gravadoras. A primeira era composta por seis canções, todas de autoria de Dolores e Noel, que firmaram uma excelente parceria desde o início. Em 1991, a Island Records fechou um contrato com a banda. Fazendo um pop-rock certinho a banda ficou conhecida já no primeiro álbum ‘Everybody Else is doing it, So Why Can't We?’ de 1993 devido aos hits ‘Linger’ e ‘Dreams’. No ‘Need to Argue’, do ano seguinte, conseguiu outro sucesso, ‘Zombie’, sucesso entre os fãs e a mídia especializada. O clipe da música ganhou o ‘MTV Video Music Award’, e a banda saiu para turnê mundial.

Em 1995, a banda foi capa da ‘Rolling Stones’. Surgiram rumores de que Dolores iria abandonar os Cranberries para se dedicar a uma carreira a solo. A banda demonstrou que as suspeitas não tinham qualquer fundamento ao editar o seu terceiro álbum de originais, ‘To the Faithful Departed’ em 1996. Somente em 2003, os rumores se confirmaram, depois de tocarem na primeira parte de alguns concertos dos Rolling Stones, Dolores, Noel, Michael e Fergal decidiram apostar nas carreiras solo. O grupo nunca anunciou oficialmente sua separação, mas os músicos não tocavam juntos desde 2003. Depois da fama nos anos 90, e o sumiço do cenário musical os irlandeses retornam aos palcos em 2010. A volta coincide com o lançamento de ‘No Baggage’, novo CD solo de Dolores que compôs e produziu todas as faixas do álbum em parceria com o produtor musical e engenheiro de som Dan Brodbeck.

the cranberries

the cranberries - zombie


The Cranberries – Gold (2008)

Gold (2008)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1
01. Dreams 02. Sunday 03. Pretty 04. How 05. Not Sorry 06. Linger 07. Liar 08. Zombie 09. Ode to My Family 10. I Can't Be with You 11. Empty 12. Everything I Said 13. Ridiculous Thoughts 14. Dreaming My Dreams 15. Daffodil Lament 16. So Cold in Ireland

Tracklist CD 2
01. Salvation 02. Free to Decide 03. When You're Gone 04. Hollywood 05. Cordell 06. Animal Instinct 07. Promises 08. You and Me 09. Just My Imagination 10. Never Grow Old 11. Analyse 12. Time Is Ticking Out 13. This Is the Day 14. New New York 15. Stars



dolores o'riordanDolores O'Riordan nascida Dolores Mary Eileen O'Riordan na Irlanda é notável por sua voz melodiosa e inconfundível e forte sotaque irlandês. Caçula de sete filhos cresceu encontrando consolo na música, cantando desde tenra idade, bem como tocando piano clássico na igreja. Em 1990, ela fez um teste para a banda e recebeu o cargo de vocalista, tendo impressionado os seus futuros colegas com seus vocais cadenciados. Em 1993 o single ‘Zombie’ trouxe o grupo para a fama em vários países e lançou O'Riordan aos olhos do público. Ao longo da década, Dolores era reconhecida por seus cabelos curtos de várias tonalidades. E geralmente se apresentava descalça no palco. Ela liderou a banda ‘The Cranberries’ por 13 anos antes do hiato em 2003, voltando a se reunir em 2009. Como vocalista do ‘The Cranberries’, Dolores O'Riordan foi uma das mulheres mais representativas do rock alternativo no início dos anos 90.

dolores o'riordan - are you listening (2007)    dolores o'riordan - no baggage (2009)

Are You Listening? (2007)    |    No Baggage (2009)

Are You Listening?
01. Ordinary Day 02. When We Were Young 03. In The Garden 04. Human Spirit 05. Loser 06. Stay With Me 07. Apple Of My Eye 08. Black Widow 09. October 10. Accept Things 11. Angel Fire 12. Ecstasy

No Baggage
01. Switch Off the Moment 02. Skeleton 03. It's You 04. The Journey 05. Stupid 06. Be Careful 07. Apple of My Eye 08. Throw Your Arms around Me 09. Fly Through 10. Lunatic 11. Tranquilizer

stanley jordan

stanley jordanStanley Jordan começou a sua carreira após se graduar em teoria musical e composição na sofisticada Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. Para adquirir experiência, em 1984, ao invés dos palcos, preferiu tocar nas ruas de Manhattan, Filadélfia e outras cidades norte-americanas. Seu estilo se chama 'tapping', técnica em que o guitarrista usa as duas mãos sobre o braço do instrumento. Stanley Jordan tecla a guitarra com muita habilidade e presteza e a sua técnica foi desenvolvida a partir de estudos de piano. A técnica já era popular na época através de Eddie Van Halen, mas Stanley Jordan toca acordes complexos de jazz com a mão esquerda enquanto executava velozes solos de ‘bebop’ com a mão direita. A opção de tocar na rua deu-lhe notoriedade, afinal não é comum um extraordinário guitarrista tocar por algumas moedas.

A repercussão do público que o ouvia extasiado, chegou aos executivos de gravadoras. Atraído pela novidade, Bruce Lundvall, então no selo ‘Elektra Music’, procurou o artista para uma audição e, impressionado, o convidou para gravar. Stanley Jordan recusou, pois acreditava que ainda não estava pronto e queria se dedicar à música com a mesma intensidade com que se dedicava à família. Um ano e meio depois, Lundvall, já na recém-reativada ‘Blue Note Records’, voltou à carga e Stanley Jordan se tornou, então, o primeiro artista da nova fase do lendário selo. O álbum ‘Magic Touch’ de 1985, que marcou o jazz contemporâneo, foi primeiro lugar no quadro de jazz da revista Billboard e rendeu duas indicações para o ‘Grammy’ e ‘Disco de Ouro’ certificado nos EUA e Japão. Mais de duas décadas depois, com 10 álbuns lançados, pensava-se que Jordan tivesse chegado ao seu limite, mas seu novo álbum, ‘State of Nature’, prova o contrário, pois o músico aparece tocando guitarra e piano ao mesmo tempo.

stanley jordan

Nas canções de jazz 'All Blues' e 'Song for My Father' do álbum 'State of Nature', Jordan executa acordes na guitarra enquanto sola no piano, e vice-versa.

Stanley integrou um time de músicos que se reuniu em um tributo a Jimi Hendrix (1942-1970) e seus últimos trabalhos abordam musicoterapia que Jordan tem estudado ao longo dos últimos cinco anos. Visitar hospitais consta de sua agenda de viagens por acreditar que a música pode ajudar no processo de cura. Há muitos estudos científicos sobre isso. Atualmente, Stanley Jordan tem sido presença constante no Brasil, onde montou uma banda com os músicos brasileiros Ivan ‘Mamão’ Conti na bateria e Dudu Lima no baixo acústico e elétrico de 4, 5 e 6 cordas e fretless. Com entrosamento perfeito, Stanley Jordan interpreta canções da bossa nova, samba e jazz. Nascido em Chicago, em 1959, Jordan passeia por diversos estilos que aprendeu ao tocar na rua e para diferentes tipos de pessoas pois, percebeu que música é para todo mundo. Acredita que se tocasse de acordo com a indústria musical, iria se limitar a ser um instrumentista do jazz e tocaria apenas em casas de jazz e para uma platéia fã de jazz. Hoje, é aclamado como um dos guitarristas que fizeram grandes contribuições técnicas e musicais para o instrumento, e já se consolidou no rol dos músicos mais significativos.

stanley jordan - all blues


Stanley Jordan - The Best of Stanley Jordan (1985)    stanley jordan - cornucopia (1990)

The Best of (1995)    |    Cornucopia (1990)

The Best of
01. Jumpin' Jack 02. Eleanor Rigby 03. The Lady in My Life 04. All the Children 05. Impressions 06. My Favorite Things 07. Georgia on My Mind (Digitally Remastered) 08. Stairway to Heaven 09. Flying Home 10. Still Got the Blues 11. Over the Rainbow (Live)

Cornucopia
01. Impressions 02. Willow weep for me 03. Autumn leaves 04. Still got the blues 05. Fundance 06. What's going on 07. Always know 08. Asteroids 09. Cornucopia

stanley jordan - stolen moments (1991)    Stanley Jordan - State of Nature (2008)

Stolen Moments (1991)    |    State of Nature (2008)

Stolen Moments
01. Stairway to Heaven 02. Impressions 03. Lady In My Life 04. Autumn Leaves 05. Stolen Moments 06. Return Expedition 07. Over The Rainbow

State of Nature
01. A Place in Space 02. All Blues 03. Forest Garden 04. Insensatez (How Insensitive) 05. Mozart’s Piano Concerto (Andante in F Major) 06. Song for My Father 07. Mind Games 08. Ocean Breeze 09. Healing Waves 10. Mind Games 2 11. Shadow Dance 12. Mind Games 3 13. Prayer for the Sea 14. Steppin’ Out

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...