13 de julho: dia mundial do rock

Sabemos que o Dia Mundial do Rock foi instituído em 1985, com o lendário festival ‘Live Aid’, que aconteceu na Inglaterra e Estados Unidos, e que foi idealizado por Bob Geldof para arrecadar fundos para as vítimas da fome na Etiópia. Sabemos também que além dos fundos arrecadados, o concerto produziu a música ‘Do They Know It's Christmas Time at All’ tendo-se tornado o single mais vendido em toda a história do Reino Unido, e que a idéia foi copiada uns meses mais tarde nos EUA com a música ‘We Are The World’ de autoria de Michael Jackson, Stevie Wonder e Lionel Richie.

Mas, a grande pergunta de hoje é: quem é o pai do rock, afinal?

Para os raivosos é o diabo. Fartos estudos apontam para alguns jovens transgressores dos anos 50 que viraram de pernas para o ar os costumes no planeta. Há aqueles que vêem somente no blues a raiz do rock. E os que dizem entender, verdadeiramente, do babado afirmam que o bom e velho rock nada mais é que a fusão de vários outros estilos musicais: dos banjos e violinos do country, dos pianos e palmas dos negros das igrejas sulistas ou dos acordes tristes da gaita e violão do escravo das fazendas de algodão. Sabe-se até que os termos ‘rock’, ‘roll’ e ‘rock and roll’ eram utilizados como referência a relações sexuais em diversas letras de blues e quem batizou o estilo foi o disc jockey Alan Freed, da cidade de Cleveland, nos EUA. Foi ele que pela primeira vez utilizou o termo “rock and roll” para se referir ao ritmo que fazia uso da guitarra elétrica e letras voltadas aos jovens. Isso em 1951.

Tanta discussão, e até hoje o rock continua bastardo, mas a lista de pretensos pais é extensa:
- A gravação de ‘Rocket 88’ em 1951 do músico Jackie Brenston é apontada, por muitos, como a primeira canção de rock da história e contou com o apoio da banda de Ike Turner, futuro marido da cantora Tina Turner.

- Outros citam as músicas como 'Roll 'Em Pete', de Big Joe Turner (1939), 'Move It On Over', de Hank Williams (1947), 'Rock the Joint', de Jimmy Preston (1949), 'The Fat Man', de Fats Domino (1949) e 'How High the Moon', de Les Paul e Mary Ford.

- A revista norte-americana 'Rolling Stone', aponta a gravação 'That's All Right (Mama)', de Elvis Presley (1954), como a primeira música de rock da história. E a controvérsia se instalou: que o topetudo de Memphis seja considerado o Rei do Rock tudo bem, mas dar a ele o crédito de pai do rock? Aí já é demais!

- Um dos possíveis pais do rock é o guitarrista Chuck Berry, cuja primeira gravação no estilo foi 'Maybellene', em 1955. O músico também é responsável por um dos passos mais conhecidos do início do rock, o duck walking, que foi reinterpretado por nomes de peso como Angus Young, do AC/DC. Usando as palavras do Beatle John Lennon: 'Se você tentasse dar outro nome ao rock 'n' roll, você o chamaria de Chuck Berry'.

- Junto com Berry, entra o selvagem pianista Little Richard, autor de 'Tutti Frutti' (1955). Com ele, o estilo ganha gritos agudos e um indefectível 'A-wop-bop-a-loo-mop-a-whop-bam-boom!', que logo se tornou sua marca registrada. Controverso, o homossexual Richard foi roqueiro e pastor.

- Outro possível pai do rock é Jerry Lee Lewis, que apesar de só ter gravado a clássica 'Great Balls of Fire' em 1957, excursionou por anos com outros nomes que deram voz ao rock, como Carl Perkins, da famosa 'Blue Suede Shoes' (1955).

- Além destes, outro nome que sempre é lembrado é o de Bill Haley, o dono do topete 'pega rapaz' que visava, na verdade, desviar a atenção das pessoas para seu olho cego. É dele a famosa gravação da canção 'Rock Around the Clock' (1954), um dos pilares da história do rock.

- Não esquecendo também do guitarrista Bo Didley com a sua 'Bo Didley', de 1956. Didley é apontado como figura responsável pela transição do blues para o rock por conta da sua maneira de tocar a guitarra e construí-la, tendo em vista que seu instrumento era retangular.

E para você, quem é o pai do rock?


Bob Geldof é um cantor, compositor e humanista irlandês, foi vocalista do grupo irlandês ‘Boomtown Rats’ foi o idealizador do lendário festival "Live Aid", que arrecadou fundos para as vítimas da fome na Etiópia. No festival estavam: BB King, Phil Collins, Dire Straits, Queen, David Bowie, Black Sabbath e U2. A intenção de Geldof era juntar 70.000 libras, no entanto o lucro foi de muitos milhões tendo-se tornado o single mais vendido em toda a história do Reino Unido. Geldof chegou a desafiar Margaret Thatcher, primeira ministra inglesa para que fizesse uma grande reavaliação da política do governo britânico em relação à eliminação da fome no mundo. Em reconhecimento do seu trabalho, Geldof recebeu uma nomeação para o Prêmio Nobel da paz e o título honorário de cavaleiro atribuído pela rainha Isabel II, não tendo o título de Sir, título exclusivo para britânicos, devido à sua condição de irlandês.

2 comentários:

Edison Junior disse...

O pai eu não sei, mas um dos avós certamente é Robert Johnson.

Brincadeiras à parte, o rock, assim como qualquer outro gênero musical, tem vários pais e mães. São todos frutos de "evolução" e mistura de gêneros anteriores. Ótimo post!

E viva o rock!

mara* disse...

Viva Junior! Vida eterna ao rock!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...