chrissie hynde = the pretenders

mulheres no rock'n'roll
crucified-barbara
dolores o'riordan = the cranberries
doro pesch = warlock
girlschool
imelda may
janis joplin
joan jett | lita ford = the runaways
siouxsie and the banshees
wendy o williams = plasmatics

the pretendersEm um gênero dominado por homens, Christine Ellen Hynde, conhecida pelo nome artístico de Chrissie Hynde, guitarrista, vocalista e fundadora do grupo ‘The Pretenders’ foi capaz de se estabelecer também como compositora competente e não ser vista como um mero símbolo sexual ou uma mulher com peitos enormes a saltitar no palco. Seus ataques sobre o machismo predominante nas letras do rock são memoráveis, não apenas pela forma hábil dos riffs, mas também pela descrição do sexo do ponto de vista de uma mulher com apetite e vontade próprias. Como outras figuras fundamentais na música popular, Hynde inicialmente não se encaixava perfeitamente na cena musical contemporânea, e mesmo em sua própria banda, enquanto os demais integrantes eram Ingleses, ela nasceu em Akron, Ohio, EUA. Hynde incluiu como ídolos, Iggy Pop, ídolo do proto-punk; os guitarristas Jeff Beck e Jimi Hendrix; os pioneiros do rock Inglês ‘The Kinks’, e Brian Jones dos Stones, em seu mundo de fantasia, que se tornou o seu refúgio em vista à vida monótona de Ohio e onde prevalecia o seu desejo de fazer parte de uma banda de rock. No entanto, apesar de sua devoção, Hynde teve que lutar e lentamente abrir caminho para o mundo da música real. Enquanto os amigos do sexo masculino tocavam em bandas de garagem em Akron e Cleveland, Hynde não tinha audiência para as suas canções. E a timidez a limitava ainda mais. Hynde teve apenas uma oportunidade de tocar com uma banda nos EUA e foi somente por uma noite.

Depois de alguns anos passou a estudar arte na ‘Kent State University’, em Ohio, e testemunhou o infame incidente de 1970, onde quatro estudantes foram mortos pela Guarda Nacional durante uma manifestação anti-guerra. Depois de tentar, por vários anos, fazer parte do círcuito de rock de Cleveland, decidiu tentar a sorte em Londres ao invés de sentar-se e assistir televisão ou ir ao shopping de Akron. Os seus primeiros anos em Londres foram tão cruéis que praticou pequenos furtos para sobreviver. Em 1973, se tornou famosa como repórter da revista NME (New Musical Express), especializada em bandas de rock. Participou de vários projetos roqueiros com Malcolm McLaren, figura proeminente do movimento punk-rock no final dos anos 1970, uma das personalidades mais importantes do rock e empresário da banda ‘Sex Pistols’ e de outras bandas, precursoras do punk rock na Inglaterra.

Entre 1973 e 1978, no entanto, a determinação de Hynde para se tornar parte de uma banda de rock resultou em apenas decepção. Apesar de vários convites para shows, durante os quais seus colegas a reconheciam como uma forte vocalista, guitarrista e compositora, nenhum deles aceitavam Hynde como membro efetivo. Depois de uma fracassada tentativa de começar uma banda com o guitarrista Mick Jones, mais tarde guitarrista e vocalista da banda ‘The Clash’, ela se reconectou com McLaren, que a convidou para participar do ‘Masters of the Backside’, um dos primeiros grupos britânicos de punk rock. Hynde foi membro desse grupo o tempo suficiente para ensaiar com eles, mas não o suficiente para desfrutar do sucesso. Em 1975 fez parte da notória banda punk ‘The Moors Murderers’. Mick Jones então pediu para Hynde tocar em turnê com sua nova banda, ‘The Clash’, mas a associação temporária provou ser frustrante.

the pretenders

Peter Farndon, James Honeyman-Scott, Martin Chambers, Chrissie Hynde (1979)

Uniu-se então ao baixista Peter Farndon sobre quem ouviu falar através de uma amigo. Farndon estava em Sidney, Austrália, e com Hynde, ele encontrou o primeiro projeto musical de sua vida e, por um tempo, um relacionamento romântico. E Farndon trouxe um guitarrista excepcional, James Honeyman-Scott, e mais tarde o baterista irlandês Jerry Mcleduff. Com a supervisão do produtor Nick Lowe, os quatro montaram uma demo com músicas que se tornariam clássicos da banda: ‘Precious’, ‘The Wait’ e ‘Stop Your Sobbing’. Finalmente, os anos de dedicação de Hynde, começaram a dar frutos em 1979, quando foi lançado o primeiro single, ‘Stop Your Sobbing’, uma versão cover da banda ‘The Kink’, e foi um sucesso instantâneo no Reino Unido. E o baterista Martin Chambers veio para substituir Jerry Mcleduff.

Os singles lançados depois de ‘Stop Your Sobbing’ foram recebidos com aclamação. ‘Brass in Pocket’ chegou a ficar em primeiro lugar nas paradas do Reino Unido e construiu assim uma base segura para o lançamento em 1980, do primeiro álbum, intitulado simplesmente ‘Pretenders’, na capa a foto de Hynde, Farndon, Honeyman-Scott, e Chambers vestidos com jaquetas de couro, e sem sorrir. O álbum instantaneamente foi para o primeiro lugar. E o sucesso levou a um disco de ouro e a uma turnê promocional nos EUA, onde a reputação da banda cresceu de forma gradual. Críticos e fãs receberam o álbum com entusiasmo considerável. ‘Pretenders’, mais tarde, foi colocado no número 20 da revista ‘Rolling Stone’ na lista ‘Top 100 Albums of the Decade’. Fãs norte-americanos imediatamente saudaram a banda como a personificação da rebeldia. Nos bastidores, o tom da turnê foi rebelde também. Enquanto colhiam os benefícios de suas fortunas em expansão, bebiam, e Farndon e Honeyman-Scott entraram no vício da heroína e Hynde se tornou famosa por conduta desordeira.

Sem descanso, retornaram a Londres para começar imediatamente a gravar material para o próximo álbum. ‘Pretenders II’ cimentou a reputação da banda. E o teor da turnê de 1981 foi marcadamente diferente. A música foi genial como sempre, mas o estilo de vida estava mudando. Martin Chambers se casou e Hynde conheceu Ray Davies dos ‘Kinks’, o que levou a uma relação de compromisso. No entanto, a turnê pressagiava dificuldades por vir. Chambers cortou a mão e ele não pode tocar por semanas. A banda decidiu adiar a turnê, em vez de substituí-lo. Enquanto isso, Farndon e Honeyman-Scott continuaram no vício e Farndon tornou-se tão irascível que mesmo Honeyman-Scott se recusou a trabalhar com ele. Quando a banda retornou a Londres, Hynde tomou a difícil decisão de demitir Farndon que foi substituído por Robbie McIntosh. Mas a banda foi devastada quando Honeyman-Scott morreu de insuficiência cardíaca devido à cocaína. O grupo que vinha em um ritmo notável, fez uma pausa de três anos.

the pretenders

A tragédia os atingiu novamente quando em 1983, Pete Farndon morreu afogado na banheira, resultado de uma overdose de heroína. Apesar do duro golpe, o trabalho de preparar um novo álbum já estava em andamento. ‘Back on the Chain Gang’ e ‘My City Was Gone’ tornaram-se hits de sucesso nos EUA. Hynde, no entanto, não era mais a punk desafiadora. Após seu rompimento com Ray Davies, ela conheceu e se casou com Jim Kerr, vocalista do ‘Simple Minds’. E a reputação de Hynde foi crescendo como porta-voz de causas políticas liberais e como um músico que exigia qualidade. E entre muitas desavenças, desencontros, mortes e tal, manteve a linha e liderança e predominou como a única pessoa permanente e em controle no decorrer da história da banda ‘The Pretenders’.

Hynde permanece uma raridade como mulher líder de um grupo com origem nos primórdios da história do movimento punk rock e new wave. Sempre assertiva acabou obtendo o respeito de músicos e mesmo de críticos, e mesmo a admiração de milhares de meninas que, inspiradas, seguiram seus passos. Em 2004 Hynde mudou-se para a cidade de São Paulo, Brasil, para poder tocar por algum tempo com Moreno Veloso, que estudou Física, mas atua como músico no Brasil e no exterior e é filho de Caetano Veloso. Em São Paulo, Hynde fixou residência em um apartamento no famoso edifício Copan. Nos últimos anos Chrissie Hynde tem se tornado mais e mais uma notável ativista e tenaz defensora dos direitos dos animais a um tratamento digno e ético por parte dos seres humanos. Em 2008, foi lançado o álbum ‘Break Up The Concrete’.

Chrissie Hynde canta a belíssima ‘I wish you love’ no thriller ‘Eye of the Beholder’ de 1999, onde Ewan McGregor e Ashley Judd fazem parte deste jogo de gato-e-rato entre um agente da inteligência britânica e uma sedutora chantagista.



the pretenders - precious


the pretenders - the best of-break up the concrete (2009)

The Best Of/Break Up The Concrete (2009)
CD 1    CD 2

CD 1: The Best of
01. Talk of The Town 02. Kid 03. Back on The Chain Gang 04. Brass in Pocket 05. Message of Love 06. Night in My Veins 07. Don’t Get Me Wrong 08. Middle of The Road 09. I’ll Stand By You 10. Stop You Sobbing 11. Hymn to Her 12. Precious 13. Thumbelina 14. Cuban Slide 15. My City Was Gone 16. Day After Day 17. I Go To Sleep 18. Thin Line Between Love And Hate 19. Fools Must Die 20. Up The Neck 21. Miles 22. Tattooed Love Boys

CD 2: Break Up the Concrete
01. Boots of Chinese Plastic 02. The Nothing Maker 03. Don’t Lose Faith In Me 04. Don’t Cut Your Hair 05. Love’s A Mystery 06. The Last Ride 07. Almost Perfect 08. You Didn’t Have To 09. Rosalee 10. Break Up The Concrete 11. One Thing Never Changed

5 comentários:

Edison Junior disse...

Nunca prestei muita atenção aos Pretenders, mas algumas músicas são clássicas. Vou baixar e ouvir para corrigir essa minnha falha.

mara* disse...

Não sou fãããããããã de carteirinha, mas reconheço a importância histórica, principalmente dela como mulher em um mundo extremamente machista. Foi à luta, merece todo o meu respeito. Beijão.

Mariposo-L disse...

Este CD , tenho , adoro mas a musica que mais é Don't Get Me Wrong, fiquei curioso ela ainda mora no Brasil ?

bjs

FÊNIX CRUZ disse...

Magnífico trabalho! Eu não sabia que ela vivia no Brasil. Que muitas garotas continuem se inspirando nela...
Beijocas, Maaa...

mara* disse...

Pois é Mariposo e Fênix, ela viveu em São Paulo enquanto durou a sua paixão por Moreno Veloso. Beijão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...