the ultimate jazz archive: swing to bebop 32

posts relacionados
the ultimate jazz archive: blues

the ultimate jazz archive: boogie woogie
the ultimate jazz archive: swing to bebop, modern jazz
the ultimate jazz archive: big bands
the ultimate jazz archive: vocalists


dizzy gillespie

Dizzy Gillespie (1917 – 1993) foi um dos mentores do bebop, um dos criadores da linguagem do trompete jazzístico moderno, e um verdadeiro embaixador da música. Os únicos trompetistas que se equiparam a Dizzy, em termos de importância musical e histórica, são Louis Armstrong e Miles Davis. Nascido em Cheraw, Carolina do Sul, John Birks Gillespie experimentou o trombone antes de se decidir aos 12 anos pelo trompete, instrumento com o qual se iniciou profissionalmente aos 14 anos. Tocou em diversas orquestras, na segunda metade dos anos 30 e no início dos anos 40, como as de Frankie Fairfax, Cab Calloway, Benny Carter, Lionel Hampton, Duke Ellington, Teddy Hill e outros. Dizzy teve como grande modelo o trompetista Roy Eldrige, a quem inclusive substituiu na ‘Teddy Hill Band’, em 1937. O jeito irreverente e as brincadeiras que fazia com colegas e mesmo com os próprios regentes lhe valeram muitas reprimendas e até demissões. Entre 1942 e 1945, Dizzy tocou nas orquestras de Earl Hines e de Billy Eckstine, que constituíram verdadeiros celeiros de talentos do nascente estilo bebop. Em 1941 Dizzy encontrou Charlie Parker pela primeira vez, quando este tocava na orquestra de Jay McShann. A partir daí, os dois tocaram juntos diversas vezes, com diferentes grupos. Eram sem dúvida os maiores astros da cena e dando contornos definitivos ao bebop. Somente em 1945, porém, Dizzy e Bird finalmente gravariam juntos.Em 1945 Dizzy opta pelo formato big band. Sua orquestra do período 1946-1950 contou com músicos de peso, como Milt Jackson, John Lewis, Ray Brown e Kenny Clarke - que, juntos, constituiriam a primeira formação do Modern Jazz Quartet-, além de Jay Jay Johnson, Yusef Lateef e até John Coltrane. Essa orquestra teve que ser desfeita em 1950 devido a dificuldades econômicas. Mas Dizzy continuou muito ativo, e participou de turnês do ‘Jazz at the Philarmonic’. Em 1956 formou novamente uma orquestra, que até 1958 fez turnês patrocinadas pelo Departamento de Estado norte-americano. Nos anos 60, 70 e 80, alternou as big bands com as pequenas formações. Fez várias turnês por todo o mundo, tocando com músicos locais sempre que podia. Durante toda a carreira, Dizzy esteve sempre aberto a influências étnicas, como a música cubana, brasileira, africana e do Oriente Médio. Dizzy Gillespie é um dos maiores virtuoses do trompete, talvez o maior, e trata de explorar essa qualidade em suas apresentações. Seu fraseado é cheio de elementos surpreendentes e saltos vertiginosos, explorando as notas superagudas do instrumento. Sua capacidade criativa como improvisador parece inesgotável. O arrojo, a agressividade e o humor da música de Dizzy podem ser vistas como uma extensão de sua personalidade de showman e entertainer nato. Dizzy também canta e nunca deixou totalmente de lado o seu lado clown, para deleite das platéias de todo o mundo.



phil woods

Phil Woods (1931) começou a ter lições de saxofone com a idade de 12 anos, com Harvey LaRose. Depois de se formar no colégio, foi para New York onde passou um verão na ‘Manhattan School of Music’ e quatro anos na ‘Juilliard’. Suas primeiras influências foram Benny Carter, Johnny Hodges e Charlie Parker. Durante os anos 50 e 60, Philip Wells Woods se apresentou e gravou discos com bandas próprias e às vezes acompanhado pelo saxofonista Gene Quill. Em meados de 1950, Quincy Jones contratou Phil para tocar sax-alto na big band de Dizzy Gillespie para excursionar no Oriente Médio financiado pelo ‘U.S. State Department’. Em 1959, Quincy o contratou para tocar em sua banda no show musical, ‘Free and Easy’, que ficou em cartaz durante um ano. A lista de músicos e cantores com os quais Phil Woods se apresentou ou gravou é uma lista de super estrelas: Billy Holiday, Benny Goodman, Bill Evans, Michel Legrand, Oliver Nelson, Thelonious Monk, Dizzy Gillespie, Charlie Barnett e Bob Brookmeyer são algumas delas. Em 1968, Phil foi morar na Europa onde formou a ‘European Rhythm Machine’. Em 1973 retornou para os Estados Unidos. Depois de uma breve estada em Los Angeles, Phil se mudou novamente para New York e lá fundou o ‘Phil Woods Quartet’. Nos últimos discos a música de Woods tem se tornado mais delicada e emocional, mas sem apelo pop ou comercial. Uma das personalidades mais marcantes do jazz, Phil Woods sempre oferece aos seus fiéis ouvintes uma lição de vitalidade do jazz contemporâneo.



jackie mclean
donald byrd

Jackie McLean (1931 - 2006) foi saxofonista, compositor, bandleader e educador. Considerado como a quintessência do saxofone hard bop, Jackie McLean foi um dos poucos veteranos a navegar pelas ondas das novas idéias do movimento do free-jazz. Como instrumentista e educador, John Lenwood McLean é uma das grandes lendas do jazz. Nascido em New York começou a tocar o saxofone quando tinha 15 anos, e muito cedo já estava tocando com Sonny Rollins entre 1948 e 49. Durante os 10 anos seguintes, ele trabalhou com Miles Davis, Paul Bley e Charles Mingus; foi um dos membros do combo de Art Blakey, o ‘The Jazz Messengers’ antes de formar seu próprio quinteto em 1958. Em gravações como ‘4,5 and 6’ e ‘Swing Swang Swingin’, McLean improvisou sob a pesada influência de Charlie Parker, mas manteve seu estilo próprio quanto ao ritmo e o sentimento do blues. Mclean escreveu sucessos como ‘Dig’ e ‘Hip Strut’ e atuou na peça ‘The Connection’ de 1959 até 1961. Enquanto recebia inspiração dos inovadores do final dos anos 50 e começo dos anos 60, McLean gravou ‘New Soil’, ‘One Step Beyond’, ‘Destination...Out!’ e ‘New And Old Gospel’ que incluiu Ornette Coleman no trompete. Em 1968, McLean começou a lecionar na ‘University of Hartford’ em Connecticut. Em 1970, ele e sua esposa, Dollie McLean, fundaram o ‘Artists Collective, Inc.’ de Hartford, uma organização dedicada a preservar a arte e a cultura da diáspora africana. E forneceu programas de educação e instrução em dança, teatro, música e artes visuais. E Jackie McLean continuou lecionando e se apresentando no mundo todo, sempre liderando formações com seus alunos de Hartford, incluindo o seu filho René McLean, que é saxofonista e flautista, bem como educador de jazz. Jackie McLean recebeu vários prêmios nacionais e internacionais e foi o único músico de jazz americano que fundou um departamento de estudos em uma universidade e uma organização. Depois de uma longa doença, McLean morreu em 2006.

Donald Byrd (1932), nascido Donaldson Toussaint L'Ouverture Byrd II é trompetista e considerado um dos principais do estilo hard bop da geração pós-Clifford Brown. Donald Byrd nasceu em Detroit, Michigan e enquanto frequentava a escola secundária tocou com Lionel Hampton. Tocou também na banda da força aérea, licenciou-se em música na Universidade de Wayne State e o mestrado fez na Escola de Música de Manhattan. Durante este período, em Manhattan, juntou-se ao grupo ‘The Jazz Messengers’, de Art Blakey, onde substitui Clifford Brown. Em 1955, gravou com Jackie McLean e Mal Waldron. No ano seguinte deixou os ‘The Jazz Messengers’, e iniciou um período que tocou com diversos músicos de jazz, como John Coltrane, Sonny Rollins, Herbie Hancock e Thelonious Monk. Em 1964, tocou com Eric Dolphy em Paris, antes da morte deste, duas semanas depois. Nos anos 70, afastou-se do hard-bop e se aproximou do jazz fusion e do rhythm and blues. Juntamente com ‘Mizell Brothers’, produziu o álbum ‘Black Byrd’, que se tornou o álbum mais vendido, até a data, da ‘Blue Note Records’. Os álbuns seguintes, também com ‘Mizell Brothers’, atingiram vendas igualmente significativas. Donald Byrd também lecionou música no Instituto Hampton, Universidade de Nova Iorque, Universidade Howard e na Escola Oberlin. Em 1974, criou os ‘Blackbyrds’, um grupo com seus melhores alunos.



the jazz messengers

The Jazz Messengers, grupo fundado por Art Blakey, baterista e bandleader que junto com Kenny Clarke e Max Roach, foi um dos inventores do moderno bebop, uma das correntes mais influentes do jazz que privilegia os pequenos conjuntos, como os trios, os quartetos e os solistas de grande virtuosismo. Art Blakey sempre deu apoio aos solistas, e mais tarde, como líder do ‘The Jazz Messengers’, incluiu muitos jovens músicos que se tornaram nomes de destaque no jazz. O legado da banda não é conhecido apenas pela sofisticada música que produziu, mas como um campo de provas para várias gerações de músicos de jazz. ‘The Jazz Messengers’ foi inicialmente liderado por Blakey e o pianista Horace Silver. Embora o nome não tivesse sido usado na primeira das suas gravações, Blakey e Silver gravaram juntos em várias ocasiões, mas o nome foi usado pela primeira vez em uma gravação de 1954, nominalmente liderada por Horace Silver, com Blakey na bateria, o saxofonista Hank Mobley, trompetista Kenny Dorham e o baixista Doug Watkins. O trompetista Donald Byrd substituiu Kenny Dorham, e o grupo gravou um álbum chamado simplesmente de ‘The Jazz Messengers’ em 1956. A banda ficou conhecida como ‘Art Blakey and the Jazz Messengers’ com Blakey assumindo o grupo como único líder quando Horace Silver com Mobley, Byrd e Watkins formaram um novo quinteto com uma variedade de bateristas. Durante um período que abrange mais de quarenta anos ‘Art Blakey and The Jazz Messengers’ produziu centenas de registros e prosperou em meio a inúmeras mudanças de formação, sempre recebendo os melhores músicos do jazz incluindo os trompetistas Lee Morgan, Freddie Hubbard e Wynton Marsalis, bem como o saxofonista Wayne Shorter e os pianistas Keith Jarrett e Joanne Brackeen. Leia +...



the ultimate jazz archive 32


32-1: Dizzy Gillespie (1953-1954)
parte I    parte II

Tracklist
01. Impromptu 02. It s the talk of the town 03. I let a song go out of my heart 04. Girl of my dream 05. Exactly like you 06. Siboney 07. It dont mean a thing 08. One alone 09. Sometimes i m happy 10. Pretty eyed baby

32-2: Phil Woods (1954-1955)
parte I    parte II

Tracklist
01. Stella By Starlight 02. Five 03. Joanne 04. Back And Blow 05. Woodlore 06. Falling In Love All Over Again 07. Be My Love 08. On A Slow Boat To China 09. Get Happy 10. Strollin' With Pam

32-3: Jackie McLean & Donald Byrd (1955)
mediafire

Tracklist
01. It's You Or No One 02. Blue Doll 03. Little Melonae 04. The Way You Look Tonight 05. Mood Malody 06. Lover Man

32-4: The Jazz Messengers (1955)
parte I    parte II

Tracklist
01. Yesterdays 02. Prince Albert 03. I Waited For You 04. Lady Bird 05. Deciphering The Message 06. Just One Of Those Things 07. Hank's Symphony 08. Gone With The Wind



Um comentário:

Ricardo disse...

Obrigado, Mara!

Já estou baixando...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...