chicago blues reunion

Chicago Blues ReunionÉ difícil de acreditar, até incompreensível, mas no início dos anos 60, não mais que um punhado de jovens europeus estava consciente da existência de Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Elmore James, Little Walter e outras figuras do blues de Chicago, hoje universalmente reconhecidos. Enquanto nos EUA, para onde viajaram em 1964, os ‘Rolling Stones’ ao mencionarem aos jornalistas que os entrevistavam que esperavam ansiosos por um encontro com Muddy Waters, nenhum dos repórteres sabia quem era Muddy Waters. Com o tempo as coisas mudaram para melhor. A exposição inicial ao blues de Chicago, por parte de muitos da minha geração, foi através dos primeiros álbuns dos Stones, o que nos levou ao interesse por Robert Johnson, Mississippi John Hurt, Skip James, Son House, Muddy, Howlin’ Wolf, Sonny Boy Williamson, B.B. King, Little Walter, Albert King e muitos outros. Irritantemente, nos anos 60, artistas de rosto pálido e cabelos compridos estavam ‘recriando’ a música negra e vendendo mais discos, enquanto os verdadeiros autores, apesar do riquíssimo acervo, nem recebiam o pagamento relativo a direitos autorais. Às vezes roubados como fez ‘Led Zeppelin’ com as canções de Willie Dixon, ‘Bring It on Home’ e ‘Whole Lotta Love’, esta última um descarado plágio da canção ‘You Need Love’, de sua autoria. E com o tempo, esquecidos os escândalos relativos aos roubos de letras e música os imortais do blues assim como Muddy, BB King e Buddy Guy expressaram um respeito genuíno pelo talento dos artistas brancos.

Entre esses estava o ‘Chicago Blues Reunion’ um grupo norte-americano de notáveis com raízes em Chicago, que definiu o som de sua geração na década de 60 e que fizeram, ao longo do tempo, a transição histórica do folk acústico para o blues rock e continuaram a ser inspiração para as novas gerações que seguiram a trilha que eles abriram. São eles: o vocalista, guitarrista e compositor Nick ‘The Greek’ Gravenites (ex-vocalista do Electric Flag, mas mais associado à Janis Joplin); o guitarrista Harvey ‘Snake’ Mandel (do Canned Heat, John Mayall's Bluesbreakers, Pure Food e Drug Act); o tecladista Barry Goldberg (mais famoso por tocar com Bob Dylan no Newport Folk Festival em 1965); no órgão Hammond B-3 e gaita, Corky Siegel (da Siegel-Schwall Band) além de Rick Reed no contrabaixo, Gary Mallabar na bateria, Tracy Nelson e Sam Lay, no vocal. E estes jovens músicos brancos não perceberam, naquele momento, que estavam lançando as bases para uma revolução. Estavam quebrando todos os tipos de barreiras simplesmente tocando a música de seus heróis que idolatravam e com quem tiveram a honra de aprender o blues. Individualmente, cada um deles passou a levar o blues para o resto do país e explodiram na cena musical percorrendo festivais como Woodstock, Monterey e Newport. Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Little Walter se foram e ‘Chicago Blues Reunion’ uma vez com as lições aprendidas com esses mestres tornou-se referência do blues com anos de experiência, histórias para contar, sabedoria para transmitir e celebrando o blues dos mestres de Chicago.

chicago blues reunion

chicago blues reunion - buried alive in the blues (2008)

Buried Alive in the Blues (2008)

Tracklist
01. Born in Chicago 02. Buried Alive in the Blues 03. Walk Away 04. Drinkin’ Wine 05. GM Boogie 06. Left Handed Soul 07. Miss You Like The Devil 08. I Need All The Help I Can Get 09. Death Of Muddy Waters 10. I've Gotta Find My Baby 11. New Truck 12. I'm A King Bee 13. Snake 14. Hound Dog/Roll over Beethoven

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...